Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante.Saiba mais

Compreendi
Ajudamos a sua empresa a transformar projetos em negócios concretos
Mutualista - Venda as suas ações Norgarante
Capitalizar Turismo
financiamento empresas Capitalizar
Indústria 4.0 Capitalizar 2018
Regressar Venezuela
Apoio ao Desenvolvimento de Negócio
Asset 1

Notícias

Garantia Mútua reduz custo do crédito e aumenta a taxa de investimento

2019-10-21
Garantia Mútua
O último estudo sobre o Impacto da Garantia Mútua na Economia Portuguesa, no período de 2011-2016, divulgado recentemente, conclui que as empresas utilizadoras de Garantia Mútua conseguiram aumentar a sua taxa de investimento, tendo um acesso mais facilitado ao crédito bancário, reduzindo efetivamente o custo da dívida que suportaram com a utilização deste sistema para obter crédito.

Entre 2011 e 2016, a Garantia Mútua permitiu às empresas, que a ela recorreram, o acesso a 7,8 mil milhões de euros de dívida financeira adicional e com isso as empresas aumentaram significativamente a sua probabilidade de sobrevivência. Em termos globais, nestes anos, a Garantia Mútua poupou 186 milhões de euros em encargos financeiros aos seus utilizadores.

Um efeito que é mais forte para as empresas mais pequenas e para as empresas com maior proporção de ativos tangíveis no balanço, mas é independente da sua idade. 

Estimando-se que o investimento total decorrente da utilização de Garantia Mútua em 2011-2016 tenha sido da ordem dos 3,8 mil milhões de euros, dos quais 1,7 mil milhões terão correspondido a investimento tangível adicional. Desenvolvido pelo Centro de Estudos de Gestão e Economia Aplicada da Católica Porto Business School, o Estudo apresentado pela Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua (SPGM), por altura dos 25 anos do sistema, conclui ainda que a banca beneficia, igualmente, com este instrumento financeiro, sendo possível demonstrar que nas crises mais recentes a banca viu o seu negócio crescer sustentado pela Garantia Mútua.

Com o crédito bancário assegurado com o recurso à Garantia Mútua as empresas reforçaram a capacidade exportadora, estimando-se que, no período em análise, a Garantia Mútua terá estimulado exportações adicionais superiores a 800 milhões de euros. Um impacto que foi mais significativo nas indústrias transformadoras (83%), onde atingiu 665 milhões de euros, e menos impactante na construção e nas "outras” atividades. 

O estudo salienta que "com exceção do ano de 2014, em que foi um pouco mais baixo, fruto do abrandamento da própria atividade da Garantia Mútua, o impacto anual estimado da Garantia Mútua sobre as exportações ronda os 140 milhões de euros”.

Pela primeira vez, o estudo analisou o impacto da Garantia Mútua no emprego e revela que foram criados em média 14 mil novos postos de trabalho nas empresas que recorrem a este instrumento facilitador do acesso ao crédito bancário.

Os resultados variam consoante a idade das empresas. "Para empresas jovens, esse impacto é positivo a partir de valores do ativo da ordem dos 300 mil euros, embora para empresas com várias décadas de vida esse limiar ultrapasse os 700 mil”. Globalmente, entre 2011 e 2016, "graças à Garantia Mútua, os seus utilizadores reforçaram o emprego em 14 mil trabalhadores”, salienta o estudo.

Relativamente ao contributo da Garantia Mútua para a economia portuguesa, ao nível do Produto Interno Bruto (PIB) e do emprego, os resultados apontam para que a Garantia Mútua tenha assegurado, nos últimos anos, entre 0,5 e 0,75% da produção e emprego em Portugal. Já o Valor Acrescentado Bruto (VAB) português beneficiou de um aumento de 5,1 mil milhões de euros, motivado pela Garantia Mútua.

Ver todas as noticias