Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante.Saiba mais

Compreendi
Linha de Apoio à Economia Covid-19
Moratória de Crédito - Apoio às Empresas
Linha de Crédito Investe RAM Covid-19.
Asset 1

Notícias

Perto de 250 empresas já produzem máscaras de uso comunitário

2020-05-19
certificação máscaras CITEVE

Em menos de um mês, o CITEVE - Centro Tecnológico Têxtil e do Vestuário certificou perto de 250 empresas portuguesas para o fabrico de máscaras de utilização comunitária, materiais ou produtos de utilização hospitalar  no âmbito do combate à COVID-19.

A crise pandémica levou a que muitas indústrias têxteis, de vestuário e confeção apostassem na produção de  máscaras comunitárias  e as quisessem certificar, pensando na procura registada no mercado interno e no potencial exportador dos produtos. Entre muitas micro e pequenas empresas, aparecem na lista de indústrias certificadas pelo centro tecnológico do sector companhias de referências, como TMG, Riopele, Coindu, Polopique, Petratex, Impetus, Mundotêxtil e Valérius.

A situação de carência com que Portugal enfrentou as primeiras semanas de confinamento levou também a que tenham surgido mais fabricante de máscaras cirúrgicas, cujo oferta foi, entretanto, certificada pelo CITEVE. Para lá de empresas da fileira têxtil, como a Coindu, a Sasal – Assentos para Automóveis, a Têxtilobo ou a Malhas Carjor, regista-se que também o grupo Trofa Saúde e a empresa de calçado Dehora estão a produzir máscaras cirúrgicas de utilização única no nosso país.

Para valorizar o trabalho que vem desenvolvendo, o CITEVE lançou um selo, que designou de "Máscaras – COVID-19 Aprovado”, atestando ao consumidor que o produto com tal comprovativo foi fabricado de acordo com as recomendações da Direcção-Geral da Saúde, incorpora as matérias-primas adequadas, no quadro do combate à COVID-19, e foi testado e validado por uma "entidade independente, com laboratórios acreditados”.

O selo, que leva um QR Code, "informa também se se trata de uma máscara de uso único ou se é reutilizável e, neste caso, a indicação do número de vezes que poderá ser lavada sem afetar o seu desempenho, bem como qual o tipo de utilização para que foi aprovada: uso profissional ou uso geral”.

O ISQ – Instituto de Soldadura e Qualidade, por seu lado, dispõe de um serviço de assessoria às empresas  interessadas em obter a certificação do CITEVE para a produção de máscaras de uso comunitário.

Ver todas as noticias