Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante.Saiba mais

Compreendi
Linha de Apoio a Economia COVID 19 micro e pequenas empresas SPGM
Linha FIS Credito
Regressar
Capitalizar Turismo
Linha Apoiar Madeira 2020
Asset 1

Notícias

Portugal reconhecido como destino turístico “seguro”

2020-06-17
Safe Travels WTTC

Portugal é um dos países europeus de mais baixo risco para viajar. O Governo e a indústria turística nacional adotaram normas e procedimentos sanitários e de higiene confiáveis, fazendo com que, hoje, o país seja um destino de confiança, para onde os consumidores podem viajar em segurança.

Isto mesmo acaba de reconhecer o Conselho Mundial de Viagens e Turismo, internacionalmente conhecido pela sigla inglesa WTTC, que representa os agentes privados de toda a cadeia de valor do turismo internacional. Atribuiu ao nosso país um dos cinco primeiros selos de "segurança global”, os "Safe Travels”, que acaba de criar para estimular a procura por "viagens e destinos seguros”.

Com esta validação do trabalho que tem vindo a ser feito pelos profissionais e pelos operadores turísticos por todo o mundo, aquela entidade incentiva a retoma da atividade, que passou a ser, em todo o mundo, a principal prioridade tanto das autoridades públicas como das empresas do sector no contexto do desconfinamento da pandemia de Covid-19.

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, recorda, a propósito, que "Portugal foi pioneiro no lançamento do selo ‘Clean & Safe’”, que em pouco tempo foi percecionado como vantagem competitiva pela generalidade dos ‘players’ da indústria portuguesa do turismo,  responsável por 8,7% do PIB e 19,7% das exportações do nosso país em 2019. E os resultados estão à vista, fruto da articulação entre decisores públicos e agentes económicos privados em torno de um propósito único: reabrir restaurantes, hotéis, agências de viagens e empreendimentos turísticos, acautelando a saúde, higiene e segurança dos consumidores, em busca da "nova normalidade”.

O website www.portugalcleanandsafe.com, entretanto ativado para externamente evidenciar o trabalho que entre nós está a ser feito para afirmar Portugal, à escala global, como destino seguro e de confiança, é sinal de que a dinâmica dos últimos anos não se perdeu. A escolha de Lisboa para final da Liga dos Campeões deste ano, a disputar em agosto, é prova disso mesmo.

Na mesma linha, aliás, o Governo lançou o programa Adaptar, desenvolvimento, principalmente, para dar resposta à reabertura pós-confinamento das micro e pequenas empresas da restauração e do alojamento local, e a Confederação do Turismo de Portugal pediu ao Executivo a abertura de uma "linha de apoio ao financiamento para investimento em aquisição de bens, serviços e produtos para segurança sanitária das instalações, equipamentos, viaturas, pessoal, mobiliários e materiais de exploração e outros”, para que se sejam plenamente assegurados os objetivos inerentes à atribuição do selo ‘Clean & Safe’. Trata-se de uma das 99 propostas constantes do Plano de Retoma do Turismo Português.

Para além de Portugal, só um outro destino no mundo ostenta o "selo de segurança global” do WTTC: a Arábia Saudita, um dos países asiáticos mais bem-sucedidos na prevenção e combate à epidemia provocada pelo novo coronavírus. Na Europa, as cidades espanholas de Barcelona e Sevilha são outros dois territórios "Safe Travels”, assim como Cancún, no México.

Os selos do WTTC de "segurança global” têm em conta as orientações da Organização Mundial da Saúde e do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças, dos EUA, e na sua conceção colaboraram a Associação Internacional Transporte Aéreo, o Conselho Internacional de Aeroportos e a Associação Internacional de Linhas de Cruzeiros. Além de serem atribuídos a destinos, também contemplam outros segmentos da atividade turística, como hotelaria e restauração, operadores turísticos, comércio de rua, aviação comercial, aeroportos e centros de congressos.

Ver todas as noticias