Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante.Saiba mais

Compreendi
Linha de Apoio à Economia Covid-19
Moratória de Crédito - Apoio às Empresas
Linha de Crédito Investe RAM Covid-19.
Asset 1

Notícias

Turismo vira-se para o mercado interno para a certificação “COVID Free”

2020-05-19
selo clean and safe

Com o país em desconfinamento, o turismo português está a preparar a reabertura da atividade focado no mercado interno e na adoção de novas e mais apertadas rotinas de higiene e segurança.

Responsável por 8,7% do PIB e 19,7% das exportações totais de Portugal em 2019, o sector foi seriamente afetado pela pandemia que levou o país a estar 46 dias em estado de emergência, entre 18 de março e 2 de maio último, mas está a trabalhar para voltar aos bons desempenhos, depois de ter começado o ano de maneira auspiciosa.

Articulado com a Direção-Geral da Saúde (DGS) e as organizações empresariais representativas do sector, o Turismo de Portugal começou por criar o selo de qualidade sanitária "Clean & Safe”, para que agências de viagens, empreendimentos turísticos e empresas de animação turística possam tirar partido dos investimentos que estão a fazer na limpeza e higienização de instalações e na formação para a saúde e capacitação das suas equipas.

O objetivo é dar ao consumidor, na reabertura dos seus estabelecimentos, uma garantia, validada oficialmente, de estarem em conformidade com os "requisitos de higiene e limpeza para prevenção e controlo da COVID-19 e de outras eventuais infeções”.

A adesão dos operadores turísticos foi grande e imediata e em duas semanas o Turismo de Portugal emitiu mais de 3.000 selos "Clean & Safe” (23% a agências de viagens, 39% a empreendimentos turísticos e 38% a empresas de animação turística).

O passo seguinte, à semelhança do que acontece já em Espanha, será a adoção de um novo sistema de certificação de higiene e segurança sanitária, designado "COVID Free”, obedecendo a parâmetros definidos pelas organizações mundiais da Saúde e do Turismo. É matéria em que estão a trabalhar o Turismo de Portugal e a DGS, sendo expectável que as orientações  para a reabertura da restauração sirvam de baliza de para a nova normalidade da  hotelaria  portuguesa, que deverá ser a primeira atividade económica a usar a nova certificação de higiene e segurança sanitária quando chegar a sua vez no plano de desconfinamento definido pelo Governo.

A nova certificação atesta a adoção, atualização e avaliação permanente de planos de contingência e protocolos de higiene; medidas de prevenção e controlo sanitário; boas práticas em matérias de segurança alimentar; e a existência de infraestruturas e espaços adequados ao distanciamento social e à mobilidade preconizada pelas autoridades de saúde em recintos fechados destinados à restauração. Atesta igualmente a capacitação dos profissionais ao serviço do estabelecimento turístico certificado no domínio da segurança e higiene.

Pouco dias depois de Portugal ter entrado em estado de emergência, foram operacionalizadas uma série de medidas específicas dirigidas ao sector turístico, que empregava mais de 336 mil pessoas no ano transato. Com a pandemia da COVID-19,  a situação mudou radicalmente e, segundo projeções recentes da Organização Mundial do Turismo, a procura turística global diminuirá entre 60% a 80% este ano comparativamente com 2019. Na Europa, o nosso país será um dos mais afetados por tamanha quebra, como antecipa a Comissão Europeia nas suas Previsões Económicas da Primavera no capítulo referente a Portugal.

Dos apoios facultados aos agentes de um sector tão relevante para a economia nacional destaque para a Linha de Apoio à Economia COVID-19 com garantia mútua, destinada a fazer face às necessidades de tesouraria, em particular de centenas de operadores turísticos e da restauração.

Ver todas as noticias