Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante.Saiba mais

Compreendi
LAE grandes eventos culturais
Linha Retomar
Apoio ao Desenvolvimento de Negócio
Sucessão Empresarial e Incremento de Escala
Linha de Apoio a Economia COVID 19 micro e pequenas empresas SPGM
Linha Apoio à Economia
Linha de Apoio ao Sector Social COVID-19
Asset 1

Notícias

Empresas pedem menos empréstimos no terceiro trimestre

2021-11-17
dinheiro

A procura de empréstimos por parte de empresas diminuiu, no terceiro trimestre, sobretudo por parte de grandes empresas e nos empréstimos de curto prazo, adiantou o Banco de Portugal (BdP) na edição de outubro do "Inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito”.

O banco central explica que os motivos para esta diminuição prendem-se com a "avaliação muito heterogénea por parte dos bancos, sendo a ligeira diminuição das necessidades de financiamento do investimento o fator mais referido”. Por outro lado, a procura de empréstimos por parte de particulares aumentou, sobretudo no crédito à habitação, com a confiança dos consumidores e o nível das taxas de juro a contribuir para a subida.

Para o quarto trimestre, o BdP tem a expetativa de um aumento da procura de empréstimos para empresas, mais significativo nos de curto prazo e para pequenas e médias empresas (PME). No crédito a particulares, a expectativa é de aumento da procura para consumo e outros fins.

Segundo o estudo, o terceiro trimestre não trouxe alterações no que diz respeito aos critérios de concessão de crédito, em todas as dimensões de empresas e maturidades dos empréstimos, bem como no crédito a particulares para habitação e para consumo e outros fins.

Já quanto aos termos e condições do crédito, também não se verificaram alterações no conjunto das empresas, mas houve uma melhoria no crédito concedido às grandes empresas, nomeadamente diminuição nos ‘spreads’ dos empréstimos de risco médio.

Ainda neste segmento, registou-se uma ligeira diminuição nos ‘spreads’ dos empréstimos de maior risco, uma ligeira melhoria no que respeita ao montante do empréstimo, às condições contratuais não pecuniárias e à maturidade.

Ver todas as noticias