Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Norgarante.Saiba mais

Compreendi
Linha FIS Credito
Apoio ao Desenvolvimento de Negócio
Regressar
Moratória de Crédito - Apoio às Empresas
Linha de Apoio à Economia Covid-19
Asset 1

Notícias

Nova linha para micro e PME ainda em julho

2020-07-24
Ministro da Economia Siza Vieira
Para apoiar o relançamento da atividade de micro e pequenas empresas, de todos os sectores, irá ser disponibilizada uma nova linha de crédito, dotada de mil milhões de euros, anunciou no passado dia 7 o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, durante uma audição na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação da Assembleia da República.

Esta nova linha, que o Governo prevê estar operacional "na semana de dia 20”, irá ser colocada através da banca e segundo uma "chave” definida em função dos resultados atingidos "com as últimas experiências” análogas, de molde a que os apoios cheguem "ao maior número de empresas de forma o mais célere possível”, adiantou o ministro.

Na mesma altura, o governante avançou ainda com algumas novidades para o sector do turismo, referindo, nomeadamente, o alargamento, de 60 milhões para 100 milhões de euros, da Linha de Apoio à Tesouraria de Microempresas do Turismo – COVID-19 (microcrédito). É propósito do Governo que 20% dos apoios recebidos possam ser convertidos em fundo perdido, caso a empresa beneficiária atinja determinados critérios, nomeadamente em termos de manutenção de emprego.

O ministro Siza Vieira revelou também, que o Executivo está a desenhar um programa específico de apoio à economia do Algarve, região "extremamente dependente da atividade turística”. Nesse mesmo dia, aliás, a OCDE divulgou um relatório sobre a situação do emprego nos 37 países membros da organização face à pandemia da COVID-19, em que relaciona a destruição de emprego com a dependência da economia algarvia do turismo, estimando que possam ser perdidos mais de 40% dos postos de trabalho existentes na região.

Em linha com as preocupações do ministro, no seu relatório anual sobre "Perspetivas de emprego” aquela organização internacional refere que "os países e regiões onde a pandemia teve maior expressão registaram perdas económicas mais significativas”, como é o caso da região mais a Sul do Continente. 

Ver todas as noticias